"O Acendedor de Lampiões" Jorge de Lima – Poema para Refletir, Análise

o-acendedor-de-lampiões-resumo-do-livro-e-análise-1

Jorge Mateus de Lima foi um poeta, médico, político, ensaísta, tradutor e pintor nascido em Alagoas no dia 23 de abril de 1893. Começou a escrever poesia parnasiana, aprofundou-se na forma do soneto e depois sobre a temática nativa, tudo sem deixar de lado sua catolicidade.

Confira um de seus mais famosos poemas, "O Acendedor de Lampiões"

O Acendedor de Lampiões

Lá vem o acendedor de lampiões da rua!
Este mesmo que vem infatigavelmente,
Parodiar o sol e associar-se à lua
Quando a sombra da noite enegrece o poente!

Um, dois, três lampiões, acende e continua
Outros mais a acender imperturbavelmente,
À medida que a noite aos poucos se acentua
E a palidez da lua apenas se pressente.

Triste ironia atroz que o senso humano irrita: –
Ele que doira a noite e ilumina a cidade,
Talvez não tenha luz na choupana em que habita.

Tanta gente também nos outros insinua
Crenças, religiões, amor, felicidade,
Como este acendedor de lampiões da rua!

O que você achou do poema O Acendedor de Lampiões??? Deixe o seu comentário.

Assuntos do Artigo

  • o acendedor de lampiões
  • o acendedor de lampiões jorge de lima
  • acendedor de lampiões
  • poema o acendedor de lampioes
  • poema acendedor de lampioes
  • jorge de lima poema o acendedor de lampioes
  • poema de acendedor de lampiões de jorge de lima
  • Analise -ascendedor de lampiões
  • análise do poema lampião
  • poesia o acendedor de lampiões