Livros e Literatura

Tudo sobre Plínio Marcos: Biografia, Obras, Boca do Lixo, Teatro Fotos

.

.

……………..Não há como falar em Teatro e Literatura brasileiros sem citar Plínio Marcos. O “escritor maldito de temas malditos” é até hoje um ícone de luta contra a censura em favor liberdade de expressão e da representação do submundo do tráfico, da prostituição, da marginalidade e da violência.

……………..Nascido na cidade de Santos no dia  29 de Setembro de 1935, Plínio era filho de um bancário e uma dona-de-casa e tinha cinco irmãos. Sua infância foi feliz embora tivesse muita dificuldade com os estudos, chegando a ser considerado débil mental. Com medo de que o filho não tivesse um futuro, seu pai o colocou como aprendiz de encanador e ele se tornou funileiro.

……………..Seu sonho mesmo era ser jogador de futebol, sendo que chegou a jogar no juvenil da Portuguesa Santista, no Jabaquara sendo considerado um bom jogador. Com a idade de 16 anos, Plínio Marcos conheceu o circo onde se tornou fixo aos 19 anos como o palhaço Frajola. Percorrendo o interior paulista com a Companhia Santista de Teatro de Variedades iniciava a sua carreira artística e sua paixão pela representação.

.

.

……………..Do trabalho no circo também abriram-se portas para a TV e mais tarde para o Teatro. O palhaço Frajola fazia exibições humorísticas em programas até Plínio ganhar um papel na peça infantil “Pluft, o Fantasminha“. Lá ele conheceu um grupo de atores e diretores que despertaram nele a paixão pela literatura.

……………..Assim começou a trabalhar no teatro amador santista até escrever “Barrela” em 1958. Apesar de ser desacreditado no início, com o tempo sua peça passou a ser comparada com os trabalhos de Nelson Rodrigues e depois de uma batalha contra a censura, em 1º de novembro de 1959 “Barrela” foi encenada no palco do Centro Português de Santos, voltando a ser proibida por 21 anos.

……………..Depois vieram outras peças e Plínio Marcos começou a se consagrar como escritor e dramaturgo.Mesmo assim quando chegou em São Paulo em 1960, trabalhou como camelô até entrar na Companhia Cacilda Becker.  Neste período ele voltava a sofre com a censura chegando a afirmar: “Ser impedido de trabalhar, de ganhar o pão de cada dia com o suor do próprio rosto é terrível. Você tem a sensação de que é um exilado no seu próprio país.“.

.

http://www.youtube.com/watch?v=3zcCJyZGr5c

.

……………..Depois disso vieram “Dois Perdidos Numa Noite Suja”, “Navalha na Carne” e muitos outros sucessos. Seus trabalhos passaram a ser probidos por serem considerados “pornográficos e subversivos“. Plínio se defendia dizendo que “suas obras não tinha ficção e eram uma contribuição para o melhor entendimento entre as classes sociais.

……………..Ainda assim ele não desanimou e passou a escrever livros, já que suas peças eram proibidas. Mesmo assim era perseguido e vendia seus livros nas ruas, feiras de livros, nas portas dos teatros, nos restaurantes para sobreviver. Ainda assim continuava ativo no teatro, lutando contra a censura e a falta de interesse de muita gente.

.

http://www.youtube.com/watch?v=-7DmFJqm-LA&feature=fvwrel

.

……………..A partir da década de 80, Plínio começa a fazer debates e palestras em faculdades e universidades, teatros, clubes e praças públicas, sem deixar de vender seus livros e sem esconder que o retorno financeiro de seu trabalho era mínimo. Eu sou um escritor imortal, não da Academia Brasileira de Letras, mas porque não tenho onde cair morto– chegou a dizer.

……………..Plínio Marcos faleceu em São Paulo, no dia 19 de Novembro de 1999. Até hoje suas Obras são consideradas símbolo de seu realismo e capacidade de retratar os mais baixos setores da sociedade com uma humanidade única. Como ele mesmo se descrever, Plínio Marcos foi um “repórter de um tempo mau, que fez a terra tremer várias vezes“.
Assuntos do Artigo:
  • PLINIO MARCOS OBRAS

Comente Via FaceBook

Comentários


Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.